03 outubro 2011

Hannete Staack - Como mentiras repetidas à exaustão viram verdades e enganam nossas(os) campeãs(ões)

Hannete Staack é uma guerreira!

Hannete Staack nos enche de orgulho!


Hannete Staack é uma campeã! 


Ficou com o vice este ano no ADCC mas teve uma vitória moral, enfrentando a gigante - e não menos guerreira - 
Gabrielle Garcia (nossa querida Gabi) na final, sendo superada por apenas 2 pontos (e ainda assim controversos), em nada menos do que 30 minutos de luta.

Mas 
Hannete Staack, como a grande maioria dos lutadores, mestres, repórteres e o público em geral, é vítima de uma falácia que perdura há mais de 50 anos. É vítima da desinformação promovida, sem necessidade, por alguns Gracies e seus fãs em geral, como se a família Gracie precisasse de qualquer inverdade para se promover, como se suas realizações, inigualáveis no mundo das artes-marcias, precisassem de justificativas e desculpas...

Do que estou falando? É simples: Hannete, em recente entrevista à revista Tatame, explica porque se lembrou da grande luta do século passado entre o Mestre Hélio Gracie e um dos maiores judocas de todos os tempos, Sensei Masahiko Kimura. Segue a parte relevante da entrevista:


Acha que a diferença de peso foi o grande trunfo dela?
 Acho que o peso faz diferença, mas nesse momento lembrei-me do Grande Mestre Helio Gracie em sua luta contra Kimura e outros, onde o “franzino” consegue mostrar ao mundo a verdadeira essência do Jiu-Jitsu.
Eu sempre me pergunto o porque desta falácia perdurar até os dias de hoje! Ocorre uma inversão completa dos valores, uma flexibilização dos fatos tão grande, ao ponto de muitos considerarem que Hélio Gracie foi o verdadeiro héroi e campeão desta peleja! Existe toda uma mística em relação a esta luta, como se Hélio houvesse enfrentado um gigante, que o venceu apelando para sua força física monstruosamente superior, enquanto o mestre Brasileiro demonstrava a eficiência da técnica de seu jiu-jitsu em face ao monstro Nipônico!

Hélio Gracie mostrando o físico exemplar de um lutador
Esta impressão é fruto das alegações estapafúrdias da imprensa da época e de amigos e até membros da família Gracie. Diziam que Kimura era um monstro com mais de 100 kg, um gigante, etc. e tal! Kimura era alto mesmo, para um Japonês da época, ela tinha 1m70cm e pesava 85kg. Isto está bem longe de ser estatísticas de um gigante. Hélio Gracie era bem mais alto, porém mais leve e franzino, mas também estava longe de ser fraco. Kimura é considerado um dos mais técnicos lutadores de Judô de todos os tempos, com um o-soto-gari temido, e imbatível justamente na luta de solo. Os poucos trechos da luta que sobreviveram mostram um Hélio Gracie completamente à mercê do mestre Nipônico: é derrubado à vontade, tem a guarda passada sem dificuldades, é imbobilizado quase até desmaiar, e têm o braço quebrado em dois lugares antes da toalha ser jogada. Enfim: foi um guerreiro, como sempre o fez em toda sua carreira, mas não podemos considerar, como considerou a imprensa da época, a luta como uma vitória moral do Hélio Gracie. Ele enfrentou a quem muitos consideram o melhor Judoca de todos os tempos, e pagou o preço. 

De lá para cá a mentira vem sendo repetida, Kimura tem até 120kg em alguns relatos. Noutros dizem que Kimura tentava, sem sucesso, dominar Hélio que escapava sempre, até que, usando de sua força física superior aplicou uma chave de braço, e que, mesmo assim Hélio nunca bateu (desistiu). No livro de Kimura ele relata que tentou ganhar a luta com uma queda, mas que depois de lançar Hélio dezenas de vezes ao solo, percebeu que o tablado era muito macio e que a não conseguiria terminar a luta daquele jeito. Então passou a guarda, e imobilizou Hélio, que, tentando escapar, pois não suportava mais a pressão, entregou o braço e Kimura aplicou então o ude-garami que acabou quebrando o braço de Hélio (apenas porque este não bateu, já que Kimura esperou para ver se o mestre iria bater antes de continuar com a hiper-extensão do braço, um sinal de respeito ao próximo!). Hoje em dia este golpe é conhecido como Kimura no jiu-jitsu.

Kimura ganhou por ser mais ténico e melhor que Hélio Gracie. O que não desmerece nosso herói nacional, uma vez que nunca houve, nem haverá alguém como Kimura - Kimura no mae ni, Kimura naku, Kimura no ato ni, Kimura nashi (palavras dos competidores conterrâneos do mesmo, analisando suas lutas quando ele estava em seu auge).

Nossa querida Hannete, como muitos outros, foi vítima desta falácia de que Kimura era um gigante e Hélio um franzino adversário... Mas ela está desculpada... quantos de vocês sabiam da verdade?

Um comentário:

Anônimo disse...

Realmente muitas mentiras sobre a história das artes marciais no Brasil têm sido exaustivamente repetidas e muitas verdades escondidas. Recentemente o Mestre Marcial Serrano lançou o livro GEO OMORI, O GUARDIÃO SAMURAI, baseado em notícias de jornais, que ajuda a esclarecer muita coisa: http://www.clubedeautores.com.br/book/147382--GEO_OMORI__O_Guardiao_Samurai. O site Judô Tradicional também questiona muitas "verdades": http://judotradicionalgoshinjutsukan.blogspot.com.br/